2ª a 6ª: 13h30 - 18h30 sáb.: 11h - 16h

Rua Cardoso de Almeida, 1297

Perdizes - São Paulo, SP - 05013-001

(Português do Brasil) O beijo de Rita Lee

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Um beijo atirado por Rita Lee foi decisivo para minha opção pela carreira de marchand.

No inicio dos anos 70, com 28 anos, separado e 2 filhos para criar, vi-me num dilema. Havia deixado uma carreira de repórter na Quatro Rodas, passara para a CIN, hoje Leo Burnett e de lá fora rapidamente contratado pela Standard Propaganda. Um anúncio polêmico que criara, comentado pela Veja, levou-me a uma entrevista com o poderoso Livio Rangan, diretor de comunicação da Rhodia. Com a saída de Roberto Duailibi, o cargo de redator estava vago e ganhei o emprego: escrevia para revistas, fazias anúncios, transitava em meio a lindas modelos e ganhava um bom salário. Fiquei intimo do pessoal da Tropicália, em especial do poeta Torquato Neto. Tudo ia bem, exceto por um detalhe: o volume de trabalho era tremendo. E tudo sempre em cima da hora. Acabei por me incompatibilizar com o chefe e pouco depois, decidi que não queria seguir na publicidade. Gostava muito de arte e de música, e via por ali novos rumos profissionais.

Woodstock havia causado um tal impacto, que muitos pensaram em fazer um festival no Brasil, em plena ditadura. O cantor Richie Havens, esteve por aqui e o guitarrista de seu conjunto, Eric Oxendine, garantiu a um casal de amigos meus que conhecia gente chave nos EUA e muitos nomes internacionais viriam para cá por cachês pequenos, só pela curtição. Doido por uma viagem internacional, embarquei para NY ao encontro dessa quimera. É claro que tudo não passou de um sonho irrealizável.

Na volta fiquei conhecendo Cláudio Prado, recém chegado de Londres e cheio de projetos ousados. Achamos que seria uma ótima idéia excursionar por cidades brasileiras com os Mutantes, filmar tudo em super 8 e prensar um LP . Arrumei com um piloto de corridas um ônibus munido de deck na cobertura. A primeira performance foi realizada em SP. A apresentação foi sensacional, os Mutantes eram realmente eletrizantes. Lá pelas tantas, Rita Lee, com quem eu nunca havia trocado uma só palavra, me envia um beijo, a mim, sempre tão tímido e caladão. Achei um barato, mas a coisa acabou ali. Dias depois, num encontro de toda a equipe, Arnaldo Baptista, de forma peremptória, apontando-me o dedo e sem qualquer motivo explícito, declara que não me queria no esquema. Fiquei mudo e pasmo. Diante do silencio geral, levantei e fui embora, já que palavra alguma havia sido proferida em minha defesa, por qualquer dos presentes. No dia seguinte liguei para o piloto, que mandou imediatamente buscar o ônibus. Fim da viagem. Ainda participei, com outro grupo, de apresentações de Ravi Shankar e João Gilberto, inclusive do show que trouxe de volta Caetano, exilado em Londres, e promoveu o histórico encontro entre ele,João e Gal.

Nessa época eu travara relações com Franco Terranova, com quem colaborei uns meses, e depois com o marchand Ralph Camargo com quem vim a trabalhar mais de um ano. Nesse ponto, enquanto os olhos se deslumbravam com o universo visual, o apaixonado por música se tornava apenas ouvinte, convencido de que aquele caminho provavelmente nunca o levaria a lugar algum. Só recentemente, ao assistir ao belo documentário sobre o Arnaldo, o “Loki”, finalmente compreendi as razões de sua atitude: um gesto de ciúme e desatino pela bela Rita, paixão que quase o levou à morte — e que acabou decidindo meu destino.

Scroll Up