Atendimento com hora marcada
com Fedra: 11 99411 5192 ou com Rugiero pelo cel: 11 994113315

É sabido que o Nordeste é a região onde se encontra a maior parte da produção popular brasileira: artesanato, artesanato artístico e arte do povo propriamente dita. Entretanto, Pernambuco é o Estado onde a concentração é ainda maior, quase excessiva. Conheço a região desde o início dos anos 70 e em nenhuma das incontáveis viagens que fiz voltei de mãos vazias, sem o acréscimo de um nome novo, de uma obra surpreendente. Uma boa parte dos artistas de minha galeria em São Paulo provém de Pernambuco: Paulo Carneiro, Tarcisio de Andrade,Geraldo de Andrade, Marliete, Saúba, Zé Lopes, José do Carmo, Roberto Vital, J. F. Cunha, Romero de Andrade Lima, J. Borges, para mencionar apenas os que estão vivos e atuantes.
Qual a explicação para essa profusão de talentos, que não se dá apenas na arte popular e erudita, mas também na música, na literatura, na dança, em praticamente todos os domínios? Certamente a antiguidade de sua base cultural, a ausência de fluxos migratórios, como já foi apontado. Mas para mim há algo mais: uma identidade própria e vigorosa, uma cultura de resistência que permeia todos os segmentos sociais, motiva e fortalece seus talentos. Coisa de país.
Roberto Rugiero 2006 (texto para o livro Nordeste Feito à Mão, do Sebrae, PE, afinal não publicado)