Atendimento com hora Marcada
Rua Cardoso de Almeida, 1297
Perdizes, São Paulo, SP - 05013-001
(+55) 11 99411-5192
fedra@galeriabrasiliana.com.br
Atendimento com hora Marcada
(+55) 11 99411-5192
fedra@galeriabrasiliana.com.br

Brincadeira de bom gosto

 Em Notícias

O historiador e filósofo John Huizinga em seu livro Homo Ludens demostra que todos os animais são lúdicos, que o ato de brincar é inerente à condição animal. Os filhotes aprendem “treinando” uns com os outros, simulando brigas, correrias etc. E demonstra que, ao longo da História, o ato de inter-relacionar-se, também é um ato lúdico. O amor é um ato lúdico, as comemorações também o são, enfim, o homem é lúdico e isso inclui a celebração e a alegria.

A arte popular é lúdica por excelência. Ela interage com o espectador, criando uma reciprocidade. Tem como objetivo criar emoção, alegria, beleza e significado. Pode ser originária da tradição, mas pode ser também uma manifestação puramente imaginativa, uma linguagem que parte das fontes primeiras do inconsciente e dos arquétipos (herança atávica).

“Brincadeira de Bom Gosto” reúne além de obras que lembrem brinquedos (as réplicas de carros em folha-de-Flandres, antigos, de Milton Cruz), obras de arte que são claramente inspiradas em brinquedos populares, como os trabalhos do alagoano Resendio, feitos na madeira do mulungu, leve, com a qual se fazem tamancos. Há trabalhos de 2 bonequeiras, a pernambucana Lia e a paraibana Anita Garibaldi, uma grande artista. Há carrinhos de madeira, feitos por artesãos anônimos do Nordeste. A mostra apresentará trabalhos da artista Zezinha, do Jequitinhonha, na visão de Roberto Rugiero, curador, a grande ceramista atual do
Vale.

Os objetos lúdicos de J. F. Cunha, de Pernambuco, na opinião de Rugiero uma das grandes revelações da arte popular brasileira na última década, descoberto pelo curador numa oficina de brinquedos na Fundação Joaquim Nabuco.

Os quadros-objetos de Tarcísio de Andrade, cheios de movimento, feitos de recortes de madeira.

Xilogravuras de J. Borges e José Costa Leite, dois mestres dessa arte gráfica. Desenhos de Zica Bergami e Cincinho, raríssimos, pois o desenho é uma técnica pouco encontradiça no mundo inteiro.

Trabalhos (trens e barcos) de Zé Mauricio, em folha-de-zinco, artista cearense. Pinturas de Nilson Pimenta (onça brincando com os filhotes) e Sergio Vidal, este abordando o universo infantil. Uma pintura do grande expressionista mineiro José Coimbra e do pintor de Cambuquira Geraldo Silva, ambos falecidos nos anos 80.

A importante pintora paranaense cuja obra é inteiramente lúdica Suene de Oliveira Santos.

Enfim, são mais de 150 obras que estarão representadas na mostra, algumas delas de artistas anônimos, recolhidos nas viagens de Rugiero, garimpando arte pelo Brasil.

Para fazer um contraponto, haverá também trabalhos de Nelson Leirner e Guto Lacaz, artistas contemporâneos cuja obra incursiona pelo universo lúdico. Roberto Rugiero

(texto para a mostra realizada na Sandra & Marcio, em Belo Horizonte, MG,
setembro de 2007)